Seja bem-vindo! E que nunca nos falte o pão, o vinho e a saúde e alegria para compartilhar!

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Voltar à Taça

21a Avaliação Nacional de Vinhos




Há algo de reconfortante numa taça de vinho e, acredito eu, especialmente um vinho tinto. Não, não que eles sejam os meus preferidos. Cada vinho tem seu momento e sua hora ideal, por isso evito dizer que prefiro este ou aquele. Creio que, na verdade, prefiro todos os bons vinhos!
Mas há, num dia qualquer, um conforto em ter nas mãos uma taça de um bom vinho tinto. É um conforto sensorial em muitos sentidos. Seja na forma e volume de uma taça grande corretamente preenchida, seja nos aromas frutados ou amadeirados ou complexos ou fechados, seja na coloração violácea, carmesin, rubi ou negra, seja na densidade mais pesada ou mais leve, em sua textura na boca, nas sensações que provoca e no convite que deixa para mais um gole.

Participar da 21a Avaliação Nacional de Vinhos, em Bento Gonçalves, é para mim como ter uma taça de um reconfortante vinho tinto em minhas mãos, depois de um longo dia de trabalho, numa poltrona confortável, sob a luz difusa de um abajur.
Demorei para me sentir assim, uma vez que considero esse evento o equivalente do 'Oscar' do vinho brasileiro.
Não é uma competição, não é um concurso, mas guarda em si toda a ansiedade e todos os desvarios de um desafio entre vinícolas.


Nesta última edição, realizada no sábado dia 28 de setembro, uma frase muito repetida foi a de que a avaliação atingiu a maioridade total, aos 21 anos. Concordo. Havia no ar uma sensação de coisas bem assentadas, bem feitas, de ordem e dedicação que transmitem uma certa tranquilidade a um evento que une mais de 800 pessoas, por ao menos cinco horas consecutivas de palavrório e serviço de vinhos. Não é pouco para um evento que representa uma indústria de qualidade ainda tão jovem. 
Minha percepção me falou de coisas contraditórias, como essa tranquilidade advinda da experiência de mais de duas décadas realizando um evento que cresce aos poucos, da organização primorosa da Associação Brasileira de Enologia, que atribui responsabilidades grandes à todos os envolvidos. Mas muitos desses envolvidos (e vai aí a contradição) são absolutamente jovens, vários deles pouco mais velhos do que a Avaliação em si, e trouxeram ao evento deste ano uma estabilidade incrível e, ao mesmo tempo, uma certa descontração que só a juventude é capaz de ter.



Já estive em várias edições na última década. Já vivi momentos lindos, momentos constrangedores e momentos que me ensinaram coisas para utilizar no futuro. No evento, muito mais do que conhecer os 16 vinhos mais representativos da safra deste ano, o que se vê é trabalho, é gente, é dedicação, competição, superação. E por tudo isso necessitamos que o vinho na taça seja reconfortante, seja poesia como as palavras finais do presidente Luciano Vian (foto abaixo) em seu primeiro discurso oficial, seja informação como na surpresa do jornalista premiado com o Troféu Vitis, Irineu Guarnier, seja consistência como no trabalho do outro homenageado, o enólogo Mario Geisse, seja surpresa como na indicação da vinícola Monte Rosário, que teve seu primeiro vinho fino (um tinto da uva Teroldego) já indicado entre os mais representativos.



O vinho na taça precisa ser tudo isso. E tudo isso não é fácil. É um desafio e tanto para uma indústria que precisa se adequar a um país que não valoriza seus próprios produtos, a não ser no sentido fiscal.
Sentada entre os mais de 800 participantes, pensando nos excelentes brancos que passaram por minha taça, nas bases de espumantes e nos tintos promissores desta safra de 2013, olho as coisas com olhos de contemplação, com olhos de quem, finalmente, consegue enxergar um pouco além de rótulos. Penso nas variadas sensações do vinho, em seu poder a taça, em sua (pouca, infelizmente) participação nas mesas dos brasileiros, penso que o vinho nacional foi, enfim, tremendamente bem explicado na gaita de Renato Borghetti, que tocou ao final do evento: é tradição gaúcha, com sobrenome italiano, tocada como jazz, intrepretando uma poesia musical de Luiz Gonzaga. É Brasil, e é lindo de ver e bom de beber!




quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Quer saber mais? Quer degustar? Que tal visitar?


Uma taça para pensar...

No Museu da Ciência de Londres há uma área especialmente dedicada aos alimentos e bebidas. É uma exibição interativa e muito interessante chamada 'Food for Thought' (Comida para Pensar ou Alimento para as Ideias, como queiram) que fala de nutrição e processamento de alimentos.
Não sei exatamente porque esse local (que infelizmente não visito há muitos anos) me veio à memória hoje, mas é por conta dele que existe o título acima: uma taça para pensar.
Estive hoje num grande e importante evento anual dos vinhos chilenos no Brasil que, mais do que bons goles, me deu muito o que pensar.
Como todo enófilo sabe (e até mesmo o consumidor regular de vinho), o Chile tem muito poder nessa área da economia. O vinho para o Chile está entre os 5 principais produtos de exportação, o que não é dizer pouca coisa num país rico. Existem centenas de empresas de todos os tamanhos dedicadas a fazer desde vinhos industriais até ícones, passando por líquidos muito despretensiosos e chegando a néctares surpreendentes. Acredito que é exatamente assim que deve ser um bom país produtor do Novo Mundo: vários estilos de vinhos, vários preços e muita (e saudável) concorrência interna.
Mas eu me adiantei um pouco...
Nesse evento ocorreu um seminário com uma degustação de 11 vinhos que pretendia mostrar a diferenciação das três subregiões chilenas: Andes, Costa e Entre Cordilheiras. Para essa parte do evento foram convidados basicamente sommeliers-chave, alguns enófilos e a mídia.
Enquanto eu aguardava minha vez para entrar na sala comecei a pensar nas pessoas que estavam lá, fora os sommeliers, é claro, pois é uma necessidade de suas profissões que eles conheçam e se atualizem sobre as novidades do setor. Eu estava pensando na mídia mesmo, assunto recorrente neste blog.
No entanto, desta vez não estava pensando nos colegas midiáticos para criticá-los, como vez por outra faço, eu estava pensando que somos poucos, que somos os mesmos. Há muitos anos. Temos os mesmos vícios, as mesmas apreciações e os mesmos desafetos e trabalhamos para uma meia dúzia de publicações, algumas ainda bem fortes, mas somos poucos.
Sim, nossos espaços são restritos e cada vez mais raros. E isso combinado com o fato de que muitos de nós não se incomodam de trabalhar para veículos de imprensa enquanto ganham dinheiro de produtores e importadores, me fez pensar que estamos num beco sem saída, ou - para ficar na metáfora da comida - trancados dentro de uma geladeira com comida estragando.
Um dos muitos entraves na comercialização de vinhos é a incapacidade de aumentar a base consumidora, de falar com novos públicos que - muitas pesquisas apontam - estão àvidos para saber mais sobre vinhos. E quem 'fala' com as pessoas senão a mídia?
Os eventos falam também, mas só são multiplicados no momento em que caem 'na boca do povo' e nestas épocas o que está caindo na boca do povo é que vinho faz bem pra saúde mas é caro, que vinho é bebida alcoólica portanto vicia e pode ser o vilão que irá desestruturar o trânsito, as famílias, o país.
Que vinho brasileiro é ruim e que importado é bom, que precisamos nos despir de preconceitos na frente dos produtores e depois - pelas costas - dizer que preferimos um Bordeaux (seja bom ou ruim, mas é Bordeaux certo?).

Trocando de taça

Quando entrei na sala, super bem organizada como é o padrão do local onde foi feito o evento, e olhei para a mesa com uns tantos enólogos das vinícolas chilenas, me perguntei se os brasileiros conseguiriam "um dia quem sabe" sentar-se numa mesa como aquela e apresentar seus vinhos em conjunto. Será?
Bem, é claro que cada um dos que falou tentou puxar a brasa para sua sardinha, como era de se esperar. É claro também que a concorrência entre alguns deles é feroz e direta, mas estavam lá. Estavam lá porque o Brasil é MUITO importante pra eles, porque nossas compras é que pagam eventos como esses, que precisam ser multiplicados pela mídia e pelos sommeliers para que mais vinhos sejam vendidos e a indústria fique ainda mais forte. É o ciclo virtuoso, um mecanismo que os brasileiros ainda não estão preparados para fazer operar.
Assim me ocorreu que essa combinação de mídia viciada e indústria não comprometida realmente não resulta em bons negócios. Sim, dá pra culpar a carga tributária, dá pra culpar o lobby cervejeiro, dá pra culpar a safra, as estradas ruins, o lobby sumermercadista. Dá pra culpar tudo isso. Mas o que dá para FAZER? Essa é a pergunta a ser feita. O que dá para fazer sem ficar medindo pernadas com seu vizinho de terreno como se a nossa produção vitícola ainda fosse coisa de 'mérica, mérica, mérica'?
O que dá para fazer para que exista espaço para todos?
Faço essa troca de taças pois estamos enfrentando uma crise feia, e vinho é artigo de luxo precisamente para quem a indústria necessita convencer a comprar sua garrafinha semanalmente.
A mídia está em crise, a Europa está em crise e por isso manda vinhos para cá a preços impensáveis 5 anos atrás, mas como a cotação do dólar subiu e nossos importadores querem seguir com seus altos lucros, estamos pagando cada dia mais caro por vinhos cada vez mais mequetrefes.
Enquanto isso a indústria brasileira vai à mingua, com alguns (poucos) se saindo bem - seja por conta de estruturas fortes de distribuição e marketing ou por terem pequenas produções e terem encontrado seu nicho no mercado - enquanto outros tantos vão mal, muito mal e se dedicando a um chororô digno de novela cucaracha. Mas sentar-se à mesa, fazer uma ação coletiva, ou peitar os grandes e comprar brigas importantes ainda são ações isoladas, das quais só escuto falar com muita discreção.
E discreção aqui não cabe muito. Quando um produto encalha na feira, vende quem grita mais alto e tem poder de negociação. Lei básica de mercado.
Precisamos pensar o vinho na garrafa, para que ele finalmente chegue até um número maior de taças.
Precisamos pensá-lo urgentemente e coletivamente.
Bebida para pensar!







quinta-feira, 25 de julho de 2013

Vinho de Missa e outros néctares santificados

http://revistaadega.uol.com.br/Edicoes/52/artigo164342-1.asp
Texto publicado na revista ADEGA, alguns anos atrás.

Santos néctares

Superando as diferenças entre as religiões, o fruto da videira se transforma para fazer parte de todos os rituais e crenças

por Sílvia Mascella Rosa


" O anjo Lúcifer foi obrigado a deixar o Céu e a companhia de Deus por sua vaidade e egoísmo. Veio habitar a terra e tomou por morada o Monte Vesúvio. De seu reino de fogo, Lúcifer começou a destruir tudo à sua volta. Jesus, entristecido com essa visão, começou a chorar e suas lágrimas caíram sobre as lavas do vulcão. Dessas lágrimas vertidas sobre as lavas brotaram videiras e delas fez-se o vinho Lacryma Christi (Lágrima de Cristo)."
Esta lenda é somente uma das tantas relacionadas com o conhecido vinho produzido no sul da Itália desde tempos medievais.
A utilização do nome "Lacryma Christi" criou confusão no começo do século passado com os portugueses do Douro que produziam o Vinho do Porto branco. Eles passaram a utilizar a imagem de Cristo no rótulo e o nome Lacrima Christi. Depois de um longo processo, os portugueses foram impedidos de utilizar o nome completo e atualmente usam somente a imagem e a palavra Lacrima.

Mas nem só de lendas e disputas vivem os vinhos ligados à religião. Tratada como a mais sagrada das bebidas, o vinho tem participação fundamental em diversas religiões e, em muitos casos, é feito especialmente para as celebrações religiosas. Seria fácil dizer que tudo remete a Jesus Cristo na Santa Ceia, mas essa história é muito mais antiga e envolve ritos pagãos em que o vinho era ofertado aos deuses como presente ou sacrifício e bebido em rituais, fosse com o objetivo de celebrar ou de provocar um embaçamento dos sentidos que "favoreceria o encontro e a comunicação com os deuses".
Raízes Bíblicas
Foi entre os judeus que o vinho passou a ter uma presença mais sóbria ligada à religião. A Bíblia conta que Noé, ao descer da arca ao final do dilúvio, plantou uma videira, como um gesto simbólico de celebração da vida. Está no Talmud o seguinte preceito: "Farás da tua mesa um altar ao Senhor" e nessa mesa está sempre presente o vinho. "Essa tradição vem dos tempos bíblicos e o vinho, para nós, representa a alegria e a felicidade, assim é produto essencial em todas as nossas celebrações", explica o rabino Michel Schlesinger, da Congregação Israelita Paulista.

O vinho ao qual o rabino se refere não é um vinho qualquer, mas um que obedece às leis da kashrut (conjunto de leis alimentares baseada nos preceitos do livro de Levítico) e que determinam o que é kosher (aprovado para ser consumido pelo povo judeu).
Na semana do Carnaval, um grupo de rabinos estava na vinícola Valduga preparando equipamentos para a vinificação da segunda safra dos vinhos kosher da vinícola. O rigoroso processo é feito somente por judeus praticantes e a vinícola quase parou um setor da produção por quatro dias, pois alguns equipamentos, como os tanques onde os vinhos são estocados, tiveram que ser enchidos com água por 24 horas e esvaziados por três vezes.
O rabino Michel explicou que o kosher do vinho precisa ser observado por um judeu praticante para garantir que o produto não é produzido para rituais pagãos (como acontecia na antiguidade) e, sim, para consumo do povo judeu. "Existe também o vinho mevushal, que sofre um processo de pasteurização, pois isso definitivamente o separa daquele que poderia ser consumido em outros rituais que não as festas judaicas", completa o rabino.
Até o ano passado a Casa Valduga só preparava os vinhos não mevushal, porém, neste ano, eles também serão feitos para a comunidade. A diretora comercial da Valduga, Juciane Casagrande, conta que a empresa precisa contratar esses rabinos para o processo de kasherização todos os anos, pois a certificação deles é dada a cada safra. "Mas assim aproveitamos a safra das uvas e, com a presença deles, também preparamos o suco, que é naturalmente mevushal, pois precisa ser pasteurizado antes do engarrafamento", revela Juciane.
As regras do Alcorão
O suco de uva brasileiro (quando recebe a certificação halal) também atende às regras da comunidade islâmica, que não permite o consumo de nenhuma bebida alcoólica. "Entendemos que o vinho é bom para o corpo humano, mas entendemos que seus malefícios superam os benefícios, portanto ele é proibido pelo Alcorão", conta Dib Ahmad el Tarass, gestor do núcleo de desenvolvimento da Halal Brasil, escritório comercial especializado em certificação para produtos adequados ao povo islâmico.
Halal é a palavra árabe que significa lícito. O gestor da Halal Brasil explica que aqui o processo de certificação é inovador, pois está atento não somente ao que ditam as regras do islamismo, mas também às regras de segurança alimentar e de boas práticas industriais. "É como uma ISO 9000 que existe há mais de mil anos", brinca Dib Ahmad.
fotos: Raquel Rohden
Suco de uva brasileiro, certificado para consumo da comunidade islâmica, tenta ganhar espaço no mercado internacional participando de feiras, como a de Dubai. Já o vinho preparado para a Eucaristia possui tradição no Brasil, produzido para atender as necessidades da Igreja Católica
A verificação envolve desde laudos laboratoriais e análises físicoquímicas, até a observação do conjunto de práticas operacionais, para certificar que em nenhuma fase do processo industrial entram produtos que sejam haram (ilícitos), como, por exemplo, algum corante, conservante, estabilizante que contenha subprodutos de animais como o porco, não admitido pelo islamismo.
A primeira empresa brasileira a obter esse selo foi a Cooperativa Aurora, com seu suco Casa de Bento, em 2009, mas os brasileiros estão correndo atrás desse mercado que, segundo Dib Ahmad, movimentou, no mundo, 578 bilhões de dólares no ano passado só em alimentos e bebidas certificados. O Brasil, obviamente, quer sua fatia desse bolo e para isso vem participando das feiras de alimentos em Dubai, que neste ano reuniu cinco produtores de suco brasileiros.
Corpo e Sangue
Mais fáceis de agradar são, com certeza, os cristãos. Os evangélicos, que não permitem o consumo de bebidas alcoólicas argumentando o mesmo malefício que os islâmicos, servem suco de uva em suas celebrações da Santa Ceia e afirmam, como fazem os Adventistas, por exemplo, que o que Jesus bebeu não era vinho e, sim, suco.
Os católicos, por sua vez, são veementes ao afirmar que Jesus bebeu vinho. Uma das passagens mais importantes da Bíblia, em que os fiéis afirmam que Jesus começa a mostrar sua natureza sagrada, é a das Bodas de Caná onde, atendendo a um pedido de sua mãe, transforma água em vinho. Contudo, o grande momento do vinho na Bíblia é exatamente a Santa Ceia.
Desse episódio nasce a Eucaristia, que é o momento mais importante de toda a missa. "É nesse momento que o padre celebrante personifica o Cristo (in persona Christi) e repete as suas palavras sagradas que farão a transubstanciação do pão e do vinho no corpo e no sangue de Cristo", explica o padre Juarez Pedro de Castro, da Arquidiocese de São Paulo.
Para essa celebração é necessário um vinho específico, determinado pelas leis canônicas no Concílio de Trento em 1917 e revisadas em 1981. Segundo essas leis, o vinho deve ser extraído "do fruto da videira", ser natural e genuíno, isto é, não misturado com substâncias estranhas. "Já há muito tempo o vinho para a missa tem a graduação alcoólica alta, por dois motivos: o primeiro é que ele deve ser guardado na Sacristia, onde não há refrigeração, e o segundo é que ele é consumido aos poucos e, por isso, precisa ser mantido íntegro por mais tempo", conta o padre.
No Brasil, o mais famoso vinho de missa é o Canônico, produzido pela Salton há 70 anos, desde que um padre espanhol, de nome Franco, cuja paróquia ficava do outro lado da rua da vinícola em Bento Gonçalves, percebeu que não havia ali nenhum vinho específico para a missa. Ele foi então falar com um dos fundadores da vinícola (Nini Salton) para saber se a empresa poderia fazer esse vinho e, com o pedido aceito, o padre trouxe a "receita". Desde 1957, a empresa tem a autorização da Cúria Metropolitana para fazer esse vinho que, atualmente, atende a igrejas de todo o País, com produção média anual de 300 mil garrafas. O corte de uvas Moscato (50%), Saint Emilion (40%) e Isabel (10%) resulta em um vinho licoroso doce, com graduação alcoólica de 16 graus Lussac.
Ortodoxos
Os cristãos ortodoxos têm uma aproximação ainda maior com o vinho na missa e em outras celebrações. O sacristão da Catedral Ortodoxa de São Paulo explicou que, durante a Eucaristia, os fiéis recebem uma pequena colher de vinho, que veio do cálice consagrado onde o sacerdote misturou o pão e o vinho. Além disso, durante as cerimônias de casamento, os noivos tomam três goles de vinho cada um, da mesma taça, simbolizando o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Até mesmo no batismo, as crianças recebem uma quantidade mínima de vinho e pão.
Ao contrário do que se imagina, o vinho de missa não é tinto, mas rosado. "Normalmente, os paramentos da celebração (acessórios, toalhas) são claros ou brancos e, se for um vinho escuro, será fácil manchar", revela o enólogo Ricardo Chesini, cuja família produz um vinho para missa desde meados da década de 1980.
Sendo ou não religiosos, mas como apreciadores de bons vinhos em momentos felizes, vale a pena lembrar as palavras do encarregado da festa das Bodas de Caná, que recebeu o vinho recém-transformado por Jesus: "Todo mundo serve primeiro o vinho bom e quando os convidados já beberam bastante serve o menos bom. Tu guardaste o vinho bom até agora".




sexta-feira, 5 de julho de 2013

O Melhor Vinho do Mundo

Vejam só leitores, na taça ao lado está o melhor vinho do mundo! Como eu sei disso? Eu sei porque eu estou dizendo, porque eu sou uma "formadora de opinião premiada", "renomada jornalista", blogueira, sommeliére, bartender, degustadora e isso tudo me qualifica não apenas para lhe dizer que a taça ao lado é do melhor vinho do mundo como também para dizer que você deverá prová-lo e apreciá-lo, senão você está de fora do clubinho!
Entendeu?
E não interessa se ele custa 12 dinheiros e você tem uma ideia de que isso talvez seja "muito barato" para um vinho de alta qualidade ou - ao contrário - se ele custa 1.200 dinheiros (o que para a maioria das pessoas normais pode parecer demais para uma garrafa de vinho) e que você deve fazer tudo ao seu alcance (como genuíno apreciador de vinhos) para ter esse dinheiro, comprar essa garrafa e beber esse que é melhor vinho do mundo.
Sim, estou sendo irônica. Para garantir é melhor dizer que estou sendo MUITO irônica. Esta semana está difícil, entre a péssima frase "Vinho bom é o que você gosta" e a igualmente idiota "Este é o melhor vinho do mundo" fica um abismo muitas vezes preenchido por uma infinidade de bobagens que assolaram a mídia nos últimos dias.
Como alguém pode se advogar saber qual é o melhor vinho do mundo? Como alguém pode ter bebido todos os vinhos do mundo nas safras atuais e antigas e dizer que esse acima é um deles? Como alguém pode fazer uma prova (paga por importadores, frequentada por gente que só bebe de graça) e sair afirmando que os vinhos provados lá estão entre os 5/10/22 melhores vinhos do mundo?
É muita besteira minha gente! É achar que todo mundo é idiota e está disposto a pagar por isso.
É rir na cara de quem tenta trabalhar sério, estudar, conhecer, viajar, avaliar sem amarras. De quem tenta fazer melhor todos os dias para que a informação passada (apesar de sempre com um viés pessoal) seja a mais clara e objetiva possível.
Apenas nesta semana eu li uma pesquisa de um americano que faz vinhos e precisava arranjar uma maneira de justificar o fato das pessoas não gostarem de seus vinhos. Ele afirmava 'cientificamente' que os "melhores" degustadores do mundo não dão notas iguais para os mesmos vinhos nem mesmo numa mesma degustação. Mas ora...é claro que não. Vamos discutir gosto, paladar, a variação de uma garrafa para outra, a temperatura, a percepção, o embuste de colocar vários vinhos iguais numa prova onde as pessoas pensam que estão bebendo coisas diferentes?
Dizia um filósofo grego que um homem vai todos os dias ao rio buscar água para beber, para ele o homem que vai ao rio todos os dias não é o mesmo de ontem, assim com o rio que corre em sua frente não é mais o mesmo de ontem.
Mudar é natural e necessário. O movimento faz parte da vida, a alteração das escolhas faz parte de um ser em evolução. O conhecimento faz evoluir, seja o paladar sejam as células cerebrais.
Também ouvi uma pessoa da mais alta ineptitude dizer numa rede social que fazia assinaturas de graça de uma revista só para jogá-la fora e demonstrar 'seu descontentamento'. Não tenho palavras para alguém assim, e essa pessoa se considera um alto conhecer dos meandros da imprensa.
Por fim, vejo informação comprada aos montes (e por muitos dinheiros) sendo passada adiante como se fosse verdade universal, vindo da boca de 'renomados' fulanos, 'reconhecidos' ciclanos, 'importantes' beltranos, além das fontes 'oficiais'. Informação que chega às pessoas que não têm como saber da veracidade de tudo isso, e que a única coisa que podem fazer é tentar acreditar naqueles que 'se dizem' da imprensa.
Imprensa essa de amigos bem pagos, de inimigos bem conhecidos, de vendidos inomináveis que tentam andar ao sabor da maré, sorrindo hoje, apunhalando amanhã e levatando a taça e dizendo: "Bebam! Este é o melhor vinho do mundo".
Que gente bouchonée...


quarta-feira, 3 de julho de 2013

Terceira Edição do GUIA ADEGA VINHOS DO BRASIL


É com muito orgulho que escrevo para contar que acaba de ser lançada a terceira edição do GUIA ADEGA DE VINHOS DO BRASIL, com 82 vinícolas e 575 vinhos avaliados.
Eu, como degustadora de vinhos de ADEGA desde 2007 fico muito feliz com esse lançamento, pois ao participar dessas degustações para o Guia (todas elas feitas às cegas) percebi a evolução qualitativa de nossos produtos uma vez mais.
Não é fácil degustar tantos vinhos, não é fácil obter todas as informações em uma indústria que, em alguns aspectos, ainda se pauta pelo amadorismo e por algumas tradições que não combinam com as necessidades do mercado moderno, competitivo e tecnológico.
Não é fácil, acreditem, convidar os produtores para participar, mesmo que eles nada mais tenham que gastar do que o envio de 1 (uma, isso mesmo apenas UMA) garrafa de vinho. Muitos reclamam dos critérios de avaliação e acham que seus vinhos deveriam sempre ter as melhores pontuações (é natural, pois cada um deve acreditar que está fazendo o melhor que pode, mas irreal no universo dos produtores e dos produtos), outros dizem que não crêem que as garrafas enviadas por seus pares para a degustação do Guia sejam as mesmas que são vendidas para o consumidor final, por isso não querem "arriscar" seus produtos numa competição que eles entendem como desleal e outros, por fim, têm acordos comerciais e de cooperação (ainda que não às claras) com outras publicações e preferem ficar de fora para depois poderem criticar à vontade. Entendo que colocar-se à prova também não é fácil e dar a cara para bater no mercado aberto é muito complicado para muita gente que vive vidas comezinhas, pautadas por pequeninos sucessos e muito alarde.
Enfim, bancar um Guia não é uma tarefa fácil também. Pesquisar, escrever, degustar, imprimir e distribuir não são coisas simples num mercado tão sucateado, maltratado e muitas vezes escuso como o mercado editorial brasileiro. E é por isso que tenho orgulho de ter meu nome nas três edições desse Guia, que ainda não é perfeito, mas chegará lá. E chegará lá ao lado dos produtores que confiam no que fazem, que trabalham com isenção como eu, que colocam o produto à frente de seu ego de produtor, que acreditam que podemos errar algumas vezes, mas temos que seguir tentando acertar e aprender com nossos erros.
Um brinde ao vinho brasileiro!

Duas observações que acho pertinentes abaixo, para quem está apenas se aproximando desse mundo:

1- Uma degustação às cegas é aquela na qual os degustadores nada sabem a respeito do que vão degustar. No caso do Guia as degustações nos fornecem apenas o tipo de vinho, por exemplo: Merlot, Espumante Brut método Champenoise e assim por diante, nada mais. Acreditamos que isso nos afasta de qualquer pré-disposição de julgamento sobre regiões e produtores.


2- O jornalismo é um ramo das ciências sociais e humanas muito controverso. Conhecer, reportar, contar, explicar são naturais ao ser humano, assim como é natural que todas essas ações contenham em si o olhar de quem vê, que é, afinal, indissociável de quem conta.
Quando 'fazemos' jornalismo tentamos ao máximo nos separarmos de nossa visão pessoal e atendermos ao maior número possível de pessoas, mas é natural que em tudo o que fazemos a nossa experiência pessoal tenha algum nível de influência. Por isso é sempre importante para o jornalista sério a visão de vários lados de um mesmo tema, para que ele possa reportar o maior número possível de variações do que pretende explicar.
No jornalismo especializado (esportes, economia, enogastronomia entre outros) esse aporte pessoal pode ser ainda mais controverso, especialmente quando as pessoas envolvidas no processo decisório de divulgação da informação não têm nem a formação correta e nem a ética necessária para fazer o trabalho.
É ainda preciso lembrar que informação é moeda sim, seja nas empresas jornalísticas (que visam lucro), seja em nosso cotidiano e que não há como se separar totalmente de alguns critérios comerciais. Convém lembrar que o tripé que sustenta a imprensa é composto pelo conteúdo (que por ser de qualidade atrai os leitores), base de leitores (que confiam na publicação e decidem pagar por ela) e publicidade (que deseja fazer parte daquele produto que tem informação e leitores qualificados). E pensar nisso como um tripé é muito difícil para muita gente que acredita que a publicidade é deleutéria para as publicações. Que o fato de uma revista, jornal, rede de tv ou rádio ter muitos anunciantes ela está 'vendida'. Muito ao contrário, na maioria dos casos. O dinheiro desses anunciantes é o que garante uma boa dose de isenção, para que a publicação não tenha que se referir apenas aos poucos que garantem sua sobrevivência.
Como em tudo na vida, bom senso é necessário para que não se receba um produto apenas pela 'cara' do que ele vale e, muitas vezes, é preciso ter um olhar menos maniqueísta, deixando de ver tudo como apenas bom ou mau.


Para adquirir a terceira edição do Guia ADEGA Vinhos do Brasil você pode acessar o site: http://www.lojaadega.com.br

quarta-feira, 24 de abril de 2013

A Estrada de Tijolos Verdeamarelos




Começa hoje em São Paulo a EXPOVINIS 2013, no pavilhão azul do Expo Center Norte.
Entre os mais de 400 expositores, 10% deles são vinícolas brasileiras.
Há muitos lançamentos e muitas novidades, não apenas entre os brasileiros, mas também entre os estrangeiros que já tem mercado cativo e entre aqueles que vem ao país para procurar um novo mercado.
Espera-se que seja um ano mais tranquilo pois, com a sombra da salvaguarda afastada no começo deste ano - através de um acordo entre todas as partes envolvidas, os produtores, importadores e comerciantes de vinhos podem tentar fazer o que precisam: conquistar clientes com qualidade e preços atraentes.
Em época de crise mundial e de inflação verdadeira (não a declarada por nosso governo) andando em pista de corrida olímpica, o que resta fazer é mesmo conquistar novos mercados e novos clientes. Trilhar novos caminhos.
Vou para a feira sempre com um pouco de frio na barriga, buscando descobrir o que há de novo entre os produtores brasileiros e encontrar amigos queridos.
Fico chateada, no entanto, pelo fato de que um dos efeitos da crise/salvaguarda, seja a menor participação das vinícolas no evento. Conversei com várias delas que não estarão presentes e me disseram que o custo para participar do evento é muito alto e o retorno para as vinícolas pequenas que seguem com problemas graves de distribuição não compensa o dinheiro dispendido.
Elas sentem sim, falta de estar nesse centro de divulgação que é a feira, mas precisam fazer outros investimentos mais importantes para a qualidade da produção e na infraestrutura de suas cantinas.
Cada um escolhe o caminho que quer trilhar, é óbvio, mas para mim que estou fisicamente afastada das zonas de produção do país, o fato deles estarem presentes em São Paulo facilita muito a minha vida e sentirei falta dos que não estão aqui.

Hoje (quarta-feira) a visitação é apenas para profissionais da área, mas quinta e sexta-feira o espaço abre também para consumidores finais. E aí está outro entrave que as vinícolas reclamam (e com razão) a feira deveria focar nos profissionais da área, abrindo de manhã (como fazem todas as grandes feiras do gênero no mundo) e fechando no meio da tarde, permitindo que sommeliers, maitres, donos de restaurantes, bares e lojas façam a visitação em horários alternativos aos seus de trabalho.
De mimha parte acho que deveria ser proibida a entrada de consumidores finais ou aberta somente um dia, especificamente para os consumidores, dando a possibilidade de que eles comprassem todos os produtos que as vinícolas quisessem vender. Também acho que o espaço deveria congregar as diferentes áreas participantes e promover um congresso ou forum de discussões para apresentação de trabalhos.
Mas enfim, sei que a feira é feita por uma empresa e que tem fins lucrativos, por isso algumas mudanças são difíceis, mas não impossíveis. Quem sabe assim exista até um barateamento de custos que permita que mais produtores participem do evento.
Quem quiser mais informações sobre a feira, acesso etc, é só acessar: www.expovinis.com.br